Após um mês de junho no vermelho, os mercados inverteram a tendência durante o mês de julho, onde a maioria das praças fechou o mês com resultados positivos.

A carteira Portugal fortemente impulsionada pelo setor imobiliário (6,5%), e também pelas ações (3,7%), apresentou uma rentabilidade estimada de 2,7%. O desviar da atenção dos mercados da Grécia para a China, resultou numa recuperação dos mercados europeus, refletindo-se nos resultados verificados durante julho.

A carteira Europa (2,7%) seguiu em linha com a carteira Portugal, beneficiando também do setor imobiliário e da exposição a ações de países desenvolvidos. Já a carteira Mundo, fortemente penalizada pela queda dos preços das matérias-primas e em maior escala, pela queda dos ativos chineses, conseguiu ainda assim apresentar a rentabilidade neutra no final do mês (0,0%).

A carteira com uma orientação europeia, começa a destacar-se em 2015 em termos de rentabilidades estimadas, sugerindo que a Europa até ao momento e um pouco ao encontro das expectativas do inicio do ano, tem sido o nicho económico mais atrativo para os investidores.