Pelo segundo mês consecutivo, os mercados fecharam no vermelho, fechando aquele que foi o pior trimestre desde 2012. A falta de indicadores económicos convincentes por parte das principais economias mundiais e a fraca procura mundial de matéria-prima têm empurrado as praças financeiras para o vermelho, levando os investidores a acreditar cada vez mais no enfraquecimento da economia mundial.

As carteiras não se destacaram muito entre si, sendo a carteira Mundo aquela que apresentou a pior estimativa, muito por força do mau desempenho da matéria-prima, como acima abordado. Portugal (-1,0%), viu nas ações a sua pior classe de ativos (-4,0%), acontecendo o mesmo com a carteira Europa.

Um facto interessante é o contrasenso observado na relação diversificação vs. risco/rentabilidade. As matérias-primas têm introduzido um efeito muito negativo à diversificação pretendida na carteira Mundo chegando esta, no final de setembro, a apresentar uma rentabilidade negativa para 2015. Certamente que esta relação fará mais sentido no longo prazo, no entanto, fica aqui a nota, não é isso que deduzimos olhando para os resultados a 5 anos.